In vitro antitumor activity of sesquiterpene lactones from Lychnophora trichocarpha.

No Thumbnail Available
Date
2014
Journal Title
Journal ISSN
Volume Title
Publisher
Abstract
As lactonas sesquiterpênicas licnofolida e eremantolida C foram isoladas de Lychnophora trichocarpha Spreng. (Asteraceae), espécie vegetal nativa do cerrado brasileiro e popularmente conhecida por arnica brasileira. As lactonas sesquiterpênicas são conhecidas por apresentarem variadas atividades biológicas, incluindo atividade antitumoral. O presente artigo relata a avaliação da atividade antitumoral in vitro de licnofolida e eremantolida C frente a um painel de 52 linhagens de células tumorais, provenientes de tumores humanos referentes a nove principais tipos de câncer. Os testes foram conduzidos no National Cancer Institute, USA (NCI, USA). Licnofolida apresentou atividade significativa frente a 30 linhagens de células tumorais referentes a sete tipos de câncer, com valores de CI100 (concentração que inibe 100% do crescimento celular) entre 0,41 μM e 2,82 μM. Eremantolida C mostrou atividade significativa frente a 30 linhagens de células tumorais referentes a oito tipos de câncer, com valores de CI100 entre 21,40 μM e 53,70 μM. Licnofolida apresentou valores de concentração letal 50 % (CL50) para 30 linhagens de células tumorais humanas entre 0,72 e 10,00 μM, enquanto eremantolida C mostrou valores de CL50 para 21 linhagens entre 52,50 e 91,20 μM. Licnofolida apresentou um interessante perfil de atividade antitumoral. A presença na estrutura química da licnofolida de uma α-metileno-γ-lactona, além de dois grupos ésteres α,β-insaturados, podem ser responsáveis pela melhor atividade e maior citotoxicidade desta substância em relação à eremantolida C.
Description
Keywords
Lychnopholide, Sesquiterpene lactones, Antitumor
Citation
GUIMARÃES, D. A. S.; RASLAN, D. S.; OLIVEIRA, A. B. de. In vitro antitumor activity of sesquiterpene lactones from Lychnophora trichocarpha. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 16, n. 2, p. 275-282, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbpm/v16n2/17.pdf>. Acesso em: 21 out. 2015