Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/8267
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorHartmann, Leo Afraneo-
dc.contributor.authorWildner, Wilson-
dc.contributor.authorRemus, Marcus Vinicius Dorneles-
dc.contributor.authorSuita, Marcos Tadeu de Freitas-
dc.date.accessioned2017-07-19T12:34:34Z-
dc.date.available2017-07-19T12:34:34Z-
dc.date.issued1992-
dc.identifier.citationHARTMANN, L. A. et al. Complexos máfico-ultramáficos do escudo Sul-rio-grandense : revisão com ênfase na geoquímica dos elementos da série 3d de transição. Pesquisas em Geociências, UFRGS, Porto Alegre, v. 19, n.2, p. 168-173, 1992. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/PesquisasemGeociencias/article/view/21308/12298>. Acesso em: 20 de jun. 2017.pt_BR
dc.identifier.issn18079806-
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/8267-
dc.description.abstractOs complexos máfico-ultramáficos do Rio Grande do Sul foram reavaliados, com ênfase nos dados disponíveis para elementos químicos da série 3d de transição. Os complexos apresentam geralmente três componentes, quais sejam, ultramáfico (principalmente peridotitos, serpentinitos e xistos magnesianos), máfico e metassomático. Este último componente está bem desenvolvido na maioria dos complexos e foi identificado mas não estudado em detalhe. A suíte gabróica está presente em diversas áreas, tal como Pedras Pretas, e mostra uma química da série 3d de transição desde menos evoluída até mais evoluída, podendo ser classificada da mesma forma que em outras séries do mundo. Os serpentinitos são semelhantes entre si, independente da área avaliada, normalmente mostrando características residuais exceto em Pedras Pretas, onde a química do protólito gabróico foi mantida. Os peridotitos do Cerro da Mantiqueira são harzburgitos e a sua química da série 3d não pode ser distinguida de serpentinitos. Na região do Arroio Cambaizinho, os xistos magnesianos contendo várias proporções de tremolita + clorita + magnetita + ilmenita foram testados em camadas com um a cinco metros de espessura e que apresentam continuidade lateral de afloramento de centenas de metros. Eles mostram química uniforme na mesma banda e parecem corresponder a lavas magnesianas, de afinidade possivelmente komatiítica, metamorfizada na fácies anfibolito. As lavas foram derivadas de um manto enriquecido em elementos LILE ou contaminadas por material crustal.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsrestritopt_BR
dc.titleComplexos máfico-ultramáficos do escudo Sul-rio-grandense : revisão com ênfase na geoquímica dos elementos da série 3d de transição.pt_BR
dc.typeArtigo publicado em periodicopt_BR
dc.identifier.uri2http://www.seer.ufrgs.br/PesquisasemGeociencias/article/view/21308/12298pt_BR
Appears in Collections:DEGEO - Artigos de periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_ComplexosMáficosUltramáficos.pdf1,8 MBAdobe PDFView/Open    Request a copy


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.