Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2673
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorFreitas, Silvia Nascimento dept_BR
dc.contributor.authorSantos, Paula Maria dos-
dc.date.accessioned2013-04-01T13:11:39Z-
dc.date.available2013-04-01T13:11:39Z-
dc.date.issued2010-
dc.identifier.citationSANTOS, P. M. dos. Resistência à insulina e fatores de risco cardiovasculares associados à obesidade em escolares de Nova Era - MG. 2010. 168 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2010.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2673-
dc.description.abstractA obesidade se tornou um dos principais problemas de saúde pública, sendo atualmente considerada como epidemia global pela World Health Organization (WHO). Esta afecção, inicialmente limitada aos adultos, tem se expandido rapidamente na faixa etária pediátrica. A obesidade infantil é uma questão de interesse por ser fator de risco associado ao aumento da morbi-mortalidade por Doenças Cardiovasculares (DCV) e outras condições crônicas na vida adulta que reduzem a qualidade de vida. Por outro lado, o excesso de adiposidade, especialmente na região abdominal, parece ser um gatilho importante para o desencadeamento de Resistência à Insulina (RI) e complicações metabólicas como dislipidemia, Hipertensão Arterial (HA) e alterações glicêmicas. Embora não apresentem doença aterosclerótica franca, as crianças obesas apresentam este perfil de risco cardiovascular compatível com seu desenvolvimento precoce. Desde 2004, em estudos de avaliação antropométrica realizados com escolares de Nova Era – MG, constatou-se que o sobrepeso e a obesidade superam os índices de baixo peso. Diante deste quadro, o objetivo do presente estudo foi verificar a prevalência de obesidade e sua associação com a RI e fatores clínicos, nutricionais e bioquímicos de risco cardiovascular em escolares de Nova Era – MG, com a finalidade de subsidiar o planejamento de ações de saúde pública na região. Realizou-se inquérito descritivo populacional e, posteriormente, estudo epidemiológico observacional do tipo caso-controle pareado, duplo-mascarado com escolares de 6 a 10 anos, matriculados nas seis escolas da rede municipal de ensino de Nova Era - MG. O grupo caso foi composto por 65 escolares obesos, pareados com 130 escolares eutróficos, selecionados por amostragem aleatória estratificada, que constituíram o grupo controle. Os critérios de pareamento foram sexo, idade e escola, sendo que para cada caso foram selecionados 02 controles. Na primeira etapa, foram mensurados estatura e peso dos 1027 escolares de ambos os sexos, para cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) e verificação da prevalência de obesidade na população. Na segunda etapa foram definidos como casos os portadores de obesidade, ou seja, escolares com escore-z do indicador IMC/idade > +2 e como eutróficos, escolares com indicador IMC/idade no Resistência à insulina e fatores de risco cardiovasculares associados à obesidade em Nova Era intervalo – 1 < escore –z < +1. Foram mensuradas variáveis antropométricas, clínicas, bioquímicas, hemodinâmicas, nutricionais, comportamentais e de composição corporal. Averiguou-se também a ocorrência de Síndrome Metabólica primeiramente sem considerar o índice Homeostasis Model Assessment for Insuline Resistance (HOMA-IR) como um dos critérios para sua definição e, posteriormente, verificou-se a frequência de SM incluindo-o entre os critérios. Investigou-se a freqüência de fatores de risco cardiovasculares acumulados. Visto que o IMC foi utilizado como método referência neste estudo, verificouse a capacidade preditiva dos outros métodos de avaliação da obesidade empregados e observou-se que a CC apresentou maior sensibilidade (80%), especificidade (98,4%), VPP (96,0%), VPN (90,9%) e Youden (0,78). A CC também mostrou o melhor desempenho em relação ao IMC na análise de correlação de Spearman (0,90). Entre os resultados observados, verificou-se que escolares hipertensos possuiam chance 4 vezes maior de serem obesos, quando a pressão arterial foi aferida pelo aparelho Doppler (p<0,01). O perfil lipídico mostrou-se associado à obesidade tendo revelado chances 2,4 e 2,6 vezes maiores de indivíduos que apresentarem níveis séricos elevados de TG e LDL-c, respectivamente (p< 0,01; p< 0,05), serem obesos. Constatou-se 5,5 vezes maior chance de indivíduos cujos níveis séricos de proteína C-reativa estejam elevados serem obesos (p<0,001). No que concerne à glicemia e insulinemia, os casos foram mais hiperinsulinêmicos que os controles (OR =10,7; p< 0,01) e também mais resistentes à insulina (OR = 9,3; p<0,001). Verificouse que as variáveis que apresentaram associação independente com a obesidade foram: RI avaliada pelo HOMA-IR (OR = 6,7; p=0,001), PCR (OR = 4,9; p<0,001), LDL-c (OR = 2,8; p <0,01) e TG (OR = 2,2; p <0,05). A freqüência de escolares obesos com SM foi de 6,6% e quando o índice HOMA-IR foi incluído nos critérios de definição, este percentual aumentou para 8,7%. Na análise dos fatores de risco cardiovasculares acumulados, entre as crianças eutróficas, 27,6% não apresentaram nenhum dos fatores de risco avaliados, 38,2 % possuíam 1 fator e 34,1% apresentaram de 2 a 4 fatores acumulados e entre os obesos, verificou-se que 3,3% não possuíam nenhum destes fatores de risco; 26,7% apresentaram 1 fator; 56,7% possuíam de 2 a 4 fatores e 13,3% apresentaram mais de 4 fatores acumulados. Os achados deste estudo reforçam a importância da implementação de medidas preventivas ainda na infância, no que se refere à aquisição de hábitos alimentares Resistência à insulina e fatores de risco cardiovasculares associados à obesidade em Nova Era saudáveis e prática regular de atividades físicas, a fim de se modificar a tendência atual de precocidade no desenvolvimento de complicações metabólicas que contribuem para a morte prematura por doenças cardiovasculares.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherPrograma de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.subjectObesidade infantil - Nova Era - Minas Geraispt_BR
dc.subjectResistência à insulinapt_BR
dc.subjectAntropometriapt_BR
dc.subjectInflamaçãopt_BR
dc.subjectBioquímicapt_BR
dc.titleResistência à insulina e fatores de risco cardiovasculares associados à obesidade em escolares de Nova Era - MG.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.description.abstractenObesity has become a major public health problem, currently being considered by WHO as a global epidemic. This disease, initially limited to adults, has expanded quickly in the pediatric age group. Childhood obesity is a matter of interest as a risk factor associated with increased morbidity and mortality from Cardiovascular Diseases (CVD) and other chronic conditions in adulthood that reduce the quality of life. The risk of obesity, especially in the abdominal region, seems to be an important trigger for the onset of Insulin Resistance (IR) and metabolic complications such as dyslipidemia, hypertension, and glycemic disturbances. Although not show frank atherosclerosis, obese children have this cardiovascular risk profile consistent with its early development. Since 2004, anthropometric studies conducted with students from Nova Era - MG, it was found that overweight and obesity rates of underweight. Given this situation, the aim of this study was to determine the obesity prevalence and its association with IR and clinical, nutritional and biochemical cardiovascular risk factors in schoolchildren of Nova Era - MG, in order to support the planning of public health actions in the region. We conducted a descriptive survey of population and, subsequently, observational epidemiological case-control study, double-masked with schoolchildren from 6 to 10 years enrolled in six schools in the municipal education system of Nova Era-MG. The case group consisted of 65 obese children, paired with 130 normal weight students were selected through stratified random sampling, which constituted the control group. The matching criteria were sex, age and school, and in each case were selected 02 controls. In the first step, we measured height and weight of 1027 schoolchildren of both sexes for BMI calculation and verification of the obesity prevalence in the population. In the second step cases were defined as those with obesity, e.g., students with z-score indicator of BMI for age > +2 and as normal, students with Indicator BMI / age in the interval - 1 < z-score <+1. We measured anthropometric, clinical, biochemical, hemodynamic, nutritional, behavioral, and body composition. An examination was also the occurrence of metabolic syndrome with and without the inclusion of HOMA-IR in the definition criteria and the frequency of cardiovascular risk factors Resistência à insulina e fatores de risco cardiovasculares associados à obesidade em Nova Era accumulated. Since BMI was used as reference method in this study, we verified the predictive ability of other assessment methods of obesity employees and noted that the CC had a higher sensitivity (80%), specificity (98.4%), Predictive Positive value (96.0%), Negative Predictive Value (90.9%) and Youden (0.78). The CC also showed the best performance in relation to BMI in the analysis of Spearman correlation (0.90). Among the results observed, it was found that schoolchildren hypertensive possessed four times greater chance of being obese, when blood pressure was measured by the Doppler device (p<0,01). The lipid profile was associated with obesity and revealed odds 2,4 and 2,6 times higher for individuals that are experiencing high levels of serum TG and LDL-C, respectively (p <0,01; p <0,05), being obese. It was found 5.5 times higher chance of subjects whose serum C-reactive protein are elevated to be obese (p <0.001). With regard to glucose and insulin, the cases were more hyperinsulinemic than controls (OR = 10.7, p <0,01) and also more insulin resistants (OR = 9.3, p <0,001). It was found that the variables that were independently associated with obesity were: RI assessed by HOMA-IR (OR = 6,7, p = 0,001), CRP (OR = 4.9, p <0,001), LDL-c (OR = 2,8, p <0,01) and TG (OR = 2,2, p <0.05). The frequency of obese children with MS was 6.6% and when HOMA-IR was included in the definition criteria, this percentage increased to 8.7%. In the analysis of cumulative cardiovascular risk factors among children with normal weight, 27.6% showed no risk factors assessed, 38.2% had one risk factor, and 34.1% had 2 to 4 factors among obese and it was found that 3.3% had none of these risk factors, 26.7% had one factor, 56.7% had 2-4 factors and 13.3% had accumulated more than 4 factors. The findings of this study reinforce the importance of implementing preventive measures in childhood, with regard to the acquisition of healthy eating and regular physical activity in order to modify the current trend in the early development of metabolic complications that contribute for premature death from cardiovascular disease.-
Appears in Collections:PPCBIOL - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_ResistênciaInsulinaFatores.PDF2,74 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.