Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/2485
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCoelho, George Luiz Lins Machadopt_BR
dc.contributor.authorAraújo, Alexandra Paiva-
dc.date.accessioned2013-03-11T15:24:16Z-
dc.date.available2013-03-11T15:24:16Z-
dc.date.issued2007-
dc.identifier.citationARAÚJO, A. P. A influência de fatores nutricionais na resposta ao teste de Montenegro, em indivíduos vacinados anti leishmaniose tegumentar americana. 2007. 125 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2007.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2485-
dc.description.abstractA leishmaniose tegumentar americana (LTA) é uma doença crônica causada por espécies do gênero Leishmania e altamente prevalente em regiões tropicais e subtropicais do mundo. No Brasil, é considerada altamente endêmica, com uma incidência de 40.000 casos em 2002 (Desjeux, 2004). Uma vacina composta por promastigotas mortas de Leishmania (Leishmania) amazonensis foi desenvolvida por Mayrink e colaboradores e é, atualmente, uma das possibilidades que se tem para a prevenção da LTA. No entanto esta tem apresentado uma baixa imunogenicidade quando avaliada pelo Teste de Montenegro (TM), com aproximadamente 20 a 30% de não conversão do TM em indivíduos após vacinação. Vários fatores poderiam estar relacionados a esta baixa conversão do TM. Dentre estes, fatores nutricionais como os elementos traço (cobre, ferro, selênio e zinco) apresentam uma relação com a resposta imunológica, tanto pela necessidade destes para a proliferação e maturação das células do sistema imune, quanto da mudança de seus níveis séricos em processos inflamatórios e infecciosos. Diante destes dados e da não existência de estudos sobre a influência desses elementos traço na resposta imunológica humana induzida pela vacina anti-LTA, o objetivo deste estudo foi avaliar a relação entre fatores nutricionais e a resposta ao TM em indivíduos vacinados anti-LTA. O estudo foi realizado em uma subamostra (n = 172) de um ensaio comunitário para avaliação da eficácia da vacina anti-LTA, na microrregião de Caratinga, Minas Gerais. Dois grupos foram selecionados para participarem deste ensaio experimental mascarado, a partir da resposta ao TM, definido por uma enduração maior ou igual a 5 mm, 48 horas após sua aplicação. Um grupo foi composto por indivíduos que apresentaram TM negativo (n = 97) e outro por indivíduos que apresentaram TM positivo (n = 75). De todos os participantes foram obtidos dados antropométricos e amostras sanguínea. A determinação dos níveis séricos de cobre, ferro e zinco foram realizadas por espectrometria de emissão por plasma indutivamente acoplado (ICP-OES) e o selênio por espectrometria de absorção atômica com gerador de hidretos acoplado ao sistema de injeção de fluxos (FI- HGAAS), as análises laboratoriais foram realizadas uma área limpa classe ISO 7 em capelas e módulos de fluxo laminar ISO 5, utilizando-se métodos validados. A partir dos dados laboratoriais os indivíduos foram divididos em grupos com níveis séricos baixos (G0), normais (GI) e elevados (GII) de cobre, ferro, selênio e zinco de acordo com seus valores de referência. Para fins de análise estatística o diâmetro do TM foi categorizado em negativo e o grupo do TM positivo foi subdividido em 5 a 8 mm; 8,1 a 9 mm; 9,1 a 12 mm e > 12,0 mm. O diâmetro do TM apresentou valores médios de 10,347 ± 4,64 mm (média ± DP) entre os indivíduos TM positivos. Os níveis séricos médios e o desvio padrão observados foram de 1.433,7 ± 665,7 µg/L para o cobre, 1.431,6 ± 791,5 µg/ L para o ferro, 88,6 ± 39,0 µg/ L para o selênio e 999,2 ± 366 µg/ L para o zinco. O log do diâmetro do TM foi significativamente maior (p=0,021) no GII (0,66 ± 0,53) para o selênio quando comparado ao GI (0,38 ± 0,51) e significativamente menor (p=0,033) para o GII do zinco (0,23 ± 0,43) em relação ao GI (0,48 ± 0,53). Já para o cobre e o ferro não foi observada diferença significativa do diâmetro do TM entre GI e GII. Quanto a avaliação dos níveis séricos dos elementos traços por quartis do diâmetro do TM somente o selênio apresentou uma relação significativa (p=0,019), com um aumento dos níveis séricos de selênio do terceiro ao quinto quartil. Níveis séricos elevados de zinco estão relacionados a uma baixa resposta a vacina anti-LTA, avaliada pelo Teste de Montenegro, ao contrário de cobre e ferro que não apresentaram associação com a resposta ao TM entre os indivíduos vacinados anti-LTA. Níveis séricos elevados de selênio estão associados a um maior diâmetro do TM, evidenciando uma melhor resposta imune celular induzida pela vacina anti-LTA. Este estudo indica a importância da suplementação com selênio em ensaios vacinais para a avaliação da imunogenicidade da vacina, avaliada pelo TM, além da necessidade de se ajustar análises de eficácia vacinal segundo os níveis séricos de selênio.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherPrograma de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.subjectLeishmaniosept_BR
dc.subjectVacinaspt_BR
dc.subjectElementos traçospt_BR
dc.titleA influência de fatores nutricionais na resposta ao teste de Montenegro, em indivíduos vacinados anti leishmaniose tegumentar americana.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.description.abstractenAmerican cutaneous leishmaniasis (ACL) is caused by several Leishmania species. It is more prevalent in tropical and subtropical regions of the world. This disease is highly endemic in Brazil, where it is considered an important health problem and where around 40,000 cases have been reported in 2002 alone (Desjeux, 2004). The development of a safe and effective vaccine still remains the most promising approach to prevent ACL (Desjeux, 1996; Kedzierski et al., 2006). Mayrink and collaborators developed and evaluated ACL vaccine candidates composed by killed promastigotes of Leishmania (Leishmania) amazonensis (Marzochi et al., 1998, De Luca et al., 2001; Mayrink et al., 2002; Armijos et al., 2004; Vélez et al., 2005). The main problem observed in the most recent studies using the vaccine was its low immunogenicity. Particularly, it was observed that after vaccination of volunteers, 30% of subjects showed no sign of protection when using the Montenegro skin test (MST) as immunological marker (i.e. their MST response was negative). Trace elements, such as copper, iron, selenium and zinc, can influence the innate and adaptive immunity; by modifying these immune cells activities (natural killer, macrophages, neutrophils and lymphocytes) and cytokines production (Erickson et al., 2000; Mocchegiani et al., 2000). Several studies have recently shown that the levels of these trace elements can change with the different clinical presentations of ACL and the others infectious process (Faryadi et al., 2003; Koçygit et al., 1998; Koçygit et al., 1999; Van Weyenbergh et al., 2004). But there are no data on the influence of the trace elements in the immune response induced by vaccination against ACL. Thus, the aim of this study presented here was to investigate the association of those trace elements and the immune response induced by vaccination against ACL, and whether this could explain the varying degree of responsiveness observed in some of the ACL vaccine trials. This experimental double-blind study was performed on a sub sample (n= 172) of the trial’s vaccinated subject group in Caratinga, Minas Gerais. Sixty days after vaccination, a new MST was applied to subjects. They were divided in two groups, in according with the MST response, those that had a negative (n=97) and positive (n=75) MST. The MST was positive when the induration’s diameter was > 5mm. In both groups’ anthropometrics measures and blood samples were obtained. The trace elements were determinate by inductively coupled plasma atomic emission spectrometry (ICP-OES) (i.e. copper, iron and zinc) or by flux injection coupled hydride generation atomic absorption spectrometry (FIAS MHS) (i.e. selenium). All assays were performed in the metallic trace laboratory of CETEC, in two clean area ISO 7 and laminar airflow ISO 5 class cabinets using validated methods. The groups were composed by low (G0), normal (GI) and high (GII) serum levels of each trace element according to reference values. For statistical analysis purposes the subjects with a positive MST were classified into four groups, corresponding to the four quartiles of the observed diameter size distribution of positive MST respondents (i.e. 5 to 8 mm; 8.1 to 9 mm; 9.1 to 12 mm; > 12 mm). Among the subjects that had a positive MST response, the mean diameter was 10.35 ± 4.64 mm (mean ± SD). For all tested subjects the mean serum levels of copper, iron, selenium and zinc were 1433.7 ± 665.7 µg/L (mean ± SD; n = 171), 1431.6 ± 791.5 µg/ L (mean ± SD; n = 144), 88.6 ± 39.0 µg/L (mean ± SD; n = 157) and 999.2 ± 365.7 µg/L (mean ± SD; n = 171), respectively. The logarithm (log) MST diameter was significantly higher for subjects in GII (0.66 ± 0.53 mm) than G0/I (0.38 ± 0.51 mm) to selenium (p = 0.021). To zinc, the log MST diameter was significantly lower for subjects in GII (0.23 ± 0.43 mm) than in G0/I (0.48 ± 0.53 mm) (p = 0.033). No significant difference in log MST diameter was observed in copper and iron levels between GII and G0/I subject groups. The selenium levels also differed with the quartiles of the MST diameters of individuals testing positive (p = 0.019), with a tendency of increasing selenium serum levels associated with increasing MST diameter. Serum levels of zinc are associated to lower response induced by vaccine against ACL, available by MST. But the serum levels of selenium was associated an improvement of cellular response induced by vaccine against ACL. Future immunological and biochemical studies of vaccinated subjects that would be given selenium supplementation could improve our understanding about the relevance of this trace element for vaccine immunogenicity. Analyses will have to be adjusted for these levels, so that estimates of vaccine immunogenicity, evaluated by skin test, and protection can be rigorously estimated as well as compared between different studies.-
Appears in Collections:PPCBIOL - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_InfluênciaFatoresNutricionais.PDF3,21 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.