Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2172
Title: Mineralização de Au-Cu-(±Etr-U) associada às brechas hidrotermais do depósito de Igarapé Bahia, Província Mineral de Carajás, PA.
Authors: Tazava, Edison
metadata.dc.contributor.advisor: Gomes, Newton Souza
Keywords: Brechas hidrotermais
Província mineral de Carajás
Depósito de Igarapé - BA
Mineralização
Issue Date: 1999
Publisher: Programa de Pós-Graduação em Evolução Crustal e Recursos Naturais. Departamento de Geologia. Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto.
Citation: TAZAVA, E. Mineralização de Au-Cu-(±Etr-U) associada às brechas hidrotermais do depósito de Igarapé Bahia, Província Mineral de Carajás, PA. 1999. 91 f. Dissertação (Mestrado em Evolução Crustal e Recursos Naturais) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 1999.
Abstract: O depósito de Au-Cu de Igarapé Bahia está localizado na Província Mineral de Carajás (PA) e é caracterizado por apresentar uma seqüência de rochas vulcanossedimentares arqueanas, metamorfizadas na fácies xisto verde, composta por rochas metavulcânicas básicas na base e por rochas metapiroclásticas/metassedimentares no topo da seqüência. A zona de mineralização principal é caracterizada por um domínio de brechas heterolíticas magnetíticas e sideríticas, posicionadas entre o pacote de rochas metavulcânicas e o de metapiroclásticas/metassedimentares. Essas brechas são ricas em calcopirita e, subordinadamente, bornita e possuem ouro associado. A seqüência vulcanossedimentar foi submetida à intensa alteração hidrotermal, sendo os principais resultados desta alteração, representados pela cloritização, que atingiu todas a rochas da seqüência, sulfetação, carbonatação, Fe-metassomatismo, turmalinização, silicificação e, subordinadamente, biotitização. Nas brechas mineralizadas, ocorre um enriquecimento principalmente em ETR, Mo, U, F, Cl e P. A presença desses elementos indica que fluidos salinos, ricos em flúor e com elevadas temperaturas, teriam sido os responsáveis pelo transporte do grande volume de ETR. Dados de isótopos de carbono e oxigênio em carbonatos hidrotermais sugerem a existência de dois fluidos responsáveis pela alteração e, conseqüentemente, pela mineralização. Um fluido de origem magmática é caracterizado pelos estreitos valores negativos de δ13C (-9,3 a -5,8 ‰). Além disso, a ampla variação de δ18O (0,7 a 9,4‰) mostra que os valores mais positivos podem estar associados a fluidos magmáticos de mais altas temperaturas. Estes teriam interagido progressivamente com fluidos, cujos valores muito baixos da composicão isotópica do oxigênio são sugestivos da participação de componentes meteóricos de baixas temperaturas. As evidências químicas e mineralógicas associadas à composição isótopica de carbono e oxigênio permite sugerir para o depósito Igarapé Bahia um modelo genético semelhante ao proposto para o depósito de óxido de ferro-(Cu-Au-U-ETR) Olympic Dam, sul da Austrália, no qual também se constata uma interação de fluidos magmáticos e superficiais na gênese da mineralização. Todos os depósitos classificados como do tipo óxido de ferro-(Cu-Au-U-ETR) são encontrados a partir do Proterozóico. Assim, o depósito de Igarapé Bahia seria o v primeiro depósito desta classe descrita no Arqueano. Apesar da química e da mineralogia da mineralização serem indicativas do envolvimento de fontes graníticas na gênese da mineralização, esta fonte ácida ainda não foi constatada nos vários furos de sondagem realizados na área. Todavia, a fonte da mineralização poderia estar relacionada a um dos eventos de granitogênese ocorrentes na região.
metadata.dc.description.abstracten: The Au-Cu Igarapé Bahia deposit, located in the Carajas Mineral Province (Northern Brazil), can be defined as a sequence of metamorphosed volcanosedimentary rocks, with metabasics at the base and metapyroclastics/metasedimentaries at the top of the sequence. The main mineralization occurs between volcanic and metavolcaniclatic rocks, and it is characterized by the presence of magnetitic and sideritic heterolithic breccias. The volcanic sequence underwent an intense hydrothermal alteration which resulted in chloritization throughout the whole sequence, associated with sulphidation, silicification, carbonatization, Fe-metasomatism, tourmalinization and biotitization. Chemical and mineralogical data show an REE, Mo, U, F, Cl and P enrichment of these rocks, specially in the mineralization’s neighbourhood. Saline and F-rich fluids at high T may have been responsible for the REE transportation. C and O isotopic data from hydrothermal carbonates suggest the presence of two fluids which promoted alteration and consequent mineralization. A magmatic fluid is characterized by negative values of δ13C (-9,3 to -5,8‰); moreover, the large variation of δ12O (0,7 to 9,4‰) suggests a mixture between magmatic fluids of high T (higher isotopic values) and meteoric fluids (lower values). Based on chemical and mineralogical composition, and isotopic data, a genetic model similar to that of Cu-Au-U- REE Olympic Dam deposit (Southern Australia) is suggested to Igarape Bahia deposit. However, some features are quite different for the two deposits such as the age of mineralization. All Fe-oxide(Cu-Au-U- REE) known deposits are of Proterozoic age, while the Igarapé Bahia could be the first described of Archaean age. Moreover, besides the chemical and mineralogical composition of the mineralization are suggestive of granitic sources ivolvement, direct sources were not observed in the deposit region, so that Igarape-Bahia deposit may be related to other granitic intrusions present in that region. In Olympic Dam deposit the mineralization and granitic intrusions are contemporaneous.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2172
Appears in Collections:PPGECRN - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_MineralizaçãoAssociadaBrechas.pdf4,58 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.