Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/14151
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorBarbosa, Bruna Carolina Rafael-
dc.contributor.authorGuimarães, Nathalia Sernizon-
dc.contributor.authorPaula, Waléria de-
dc.contributor.authorMeireles, Adriana Lúcia-
dc.date.accessioned2021-12-09T16:47:40Z-
dc.date.available2021-12-09T16:47:40Z-
dc.date.issued2020pt_BR
dc.identifier.citationBARBOSA, B. C. R. et al. Práticas alimentares de estudantes universitários da área da saúde, de acordo com as recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 15, artigo e45855, 2020. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/article/view/45855>. Acesso em: 10 jun. 2021.pt_BR
dc.identifier.issn2238-913X-
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/14151-
dc.description.abstractIntrodução: As práticas alimentares dos indivíduos são influenciadas pelo ambiente em que eles estão inseridos. Estudantes universitários, ao ingressarem no ensino superior, podem modificar seus hábitos alimentares em função de novos comportamentos e relações sociais que se estabelecem nesta nova fase da vida. Objetivo: Avaliar as práticas alimentares de estudantes universitários ingressantes no 1º semestre dos cursos da área da saúde de uma instituição federal de ensino superior, de acordo com as recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira. Métodos: Estudo transversal com estudantes universitários dos cursos de graduação da área da saúde de uma instituição pública do ensino superior. As práticas alimentares foram obtidas através da escala desenvolvida e validada por Gabe e Jaime (2019). Foram avaliadas as características sociodemográficas, hábitos de vida e condições de saúde. A análise dos dados compreendeu distribuição de frequência e análise bivariada. Resultados: Foram entrevistados 148 estudantes, dos quais 58,1% eram mulheres, 61,5% tinham 20 anos ou menos, com idade variando de 18 a 31 anos. Práticas alimentares inadequadas foram observadas em 23,7% dos estudantes, 52,0% mostraram práticas de risco e 24,3%, adequadas. O somatório das categorias de risco e inadequação foi representado por 75,7% dos estudantes. Homens apresentaram maior frequência de práticas alimentares de risco (64,5%) e mulheres, maior frequência de práticas alimentares inadequadas (29,1%) (p=0,033). Conclusão: Observou-se alta frequência (75,7%) de práticas alimentares inadequadas no público estudado. Ao comparar as variáveis explicativas com as práticas alimentares, observou-se associação positiva entre o sexo e as práticas alimentares dos estudantes.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.titlePráticas alimentares de estudantes universitários da área da saúde, de acordo com as recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira.pt_BR
dc.title.alternativeFood practices of health university students according to the recommendation of the Dietary Guidelines for the Brazilian Population.pt_BR
dc.typeArtigo publicado em periodicopt_BR
dc.rights.licenseO periódico Demetra permite remixagem, adaptação e nova criação a partir da obra para fins não comerciais, e que seja atribuído o crédito ao autor (CC BY-NC). Fonte: Diadorim <https://diadorim.ibict.br/handle/1/611>. Acesso em: 23 maio 2021.pt_BR
dc.description.abstractenIntroduction: Dietary practices are influenced by the environment. When entering higher education, university students may change their eating habits by developing new behaviors and social relationships in this new phase of life. Objective: To evaluate the dietary practices of first-semester university students enrolled health sciences courses at a federal institution of higher education, according to the recommendations of the Guia Alimentar para a População Brasileira [Dietary Guidelines for the Brazilian population]. Methods: Cross-sectional study with university students from health sciences courses of a public institution of higher education. Dietary practices were assessed using the scale developed and validated by Gabe and Jaime (2019). Sociodemographic characteristics, lifestyle and health status were assessed. Data analysis comprised frequency distribution and bivariate analysis. Results: In total, 148 students were interviewed, of whom 58.1% were women, and 61.5% were 20 years of age or younger, with ages ranging from 18 to 31 years. Inadequate dietary practices were observed in 23.7% students, 52.0% showed risky practices and 24.3% adequate practices. The sum of the risk and inadequacy categories was represented by 75.7% students. Men had a higher frequency of risky dietary practices (64.5%), and women had a higher frequency of inadequate dietary practices (29.1%) (p = 0.033). Conclusion: A high frequency (75.7%) of inadequate dietary practices was observed in the university students. The comparison between explanatory variables and dietary practices showed a positive association between the sex and dietary practices of the students.pt_BR
dc.identifier.doihttps://doi.org/10.12957/demetra.2020.45855pt_BR
Appears in Collections:DENCS - Artigos publicados em periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_PráticasAlimentaresEstudantes.pdf339,2 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.