Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/13336
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCota, Renata Guerra de Sápt_BR
dc.contributor.authorRuas, France Anne Dias-
dc.date.accessioned2021-07-06T14:12:43Z-
dc.date.available2021-07-06T14:12:43Z-
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.citationRUAS, France Anne Dias. Abordagens moleculares e proteômicas para a caracterização de leveduras resistentes ao manganês II. 2019. 163 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/13336-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Pró-Reitoria de Pesquisa de Pós Graduação, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractA poluição do meio ambiente pelo metal pesado manganês (Mn) tem aumentado, já que é um subproduto industrial, especialmente de minerações. Estratégias biotecnológicas promissoras para descontaminação têm sido desenvolvidas. A biorremediação, é uma delas, emprega microrganismos, por exemplo, leveduras. O objetivo principal deste estudo foi caracterizar isolados de leveduras quanto aos mecanismos de resistência e capacidade de remoção do íon Mn2+ e descrever como estas respondem ao estresse ambiental alterando seu padrão de expressão proteica. Três leveduras foram isoladas de água proveniente de uma mina de rejeito de mineração, localizada no Quadrilátero Ferrífero-MG e identificadas como Meyerozyma guilliermondii, Meyerozyma caribbica e Rhodotorula mucilaginosa utilizando análise bioquímica, por Auxanograma e filogenética, baseadas no 16S rDNA. A avaliação da capacidade dos isolados removerem íons Mn+2 demonstrou que ambos os gêneros estudados são resistentes ao metal, sendo que a presença de excesso de Mn não interferiu negativamente no crescimento. As Meyerozyma sp. removeram 100% do Mn2+ por processo de biossorção e as Rhodotorula sp. 10%, provavelmente por oxidação. A menor capacidade de remoção do último gênero em relação ao primeiro não o torna menos importante, uma vez que apresenta tolerância e capacidade de remoção a concentrações elevadas de Mn2+ quando comparado a outros. O primeiro relato do proteoma solúvel total e diferencial induzidos por Mn+2 do gênero Meyerozyma sp., bem como das interações proteínaproteína foi realizado a partir da técnica shotgun/bottom-up, em que extratos protéicos de M. guilliermondii contendo as frações solúveis foram obtidos após crescimento nas condições ausência e presença de MnSO4 (0,91 mM). Os peptídeos trípticos foram analisados por cromatografia líquida acoplada a espectrometria de massa (LC-MS/MS), seguida de análises de bioinformática. No proteoma um total de 1257 proteínas foi identificado, sendo que a análise qualitativa demonstrou que dessas 117 eram exclusivas da condição ausência e 69 expressas unicamente na presença de Mn2+ . A análise quantitativa apresentou 71 proteínas upregulated induzidas pelo excesso de Mn2+, em que foram identificados sete enriquecimentos funcionais e 43 vias metabólicas. A maioria das proteínas anotadas na condição presença de Mn2+ está relacionada à atividade de oxidoredutases, resposta ao estresse oxidativo, atividades metabólicas, reparo de DNA e remodelação da expressão de genes. Diante do exposto é possível concluir que as três espécies são tolerantes a alta concentração de Mn2+, a importância compreensão dos processos celulares e dos mecanismos regulatórios moleculares, pois eles permitem o conhecimento dos mecanismos de defesa que minimizam o impacto do metal através da expressão de proteínas antioxidantes, por exemplo, permitindo o ajuste na resposta de defesa associados à tolerância do Mn2+ . Esse conhecimento permitirá estudos futuros e a exploração do potencial biotecnológico em futuros processos de biorremediação.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/us/*
dc.subjectRhodotorula mucilaginosapt_BR
dc.subjectManganêspt_BR
dc.subjectProteômicapt_BR
dc.titleAbordagens moleculares e proteômicas para a caracterização de leveduras resistentes ao manganês II.pt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 04/06/2019 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeCota, Renata Guerra de Sápt_BR
dc.contributor.refereeSantiago, Aníbal da Fonsecapt_BR
dc.contributor.refereeSilva, Breno de Mellopt_BR
dc.contributor.refereeRúbio, Karina Taciana Santospt_BR
dc.contributor.refereeBorges, Marcia Helenapt_BR
dc.description.abstractenPollution of the environment by heavy metal manganese (Mn) has increased as it is an industrial byproduct, especially of mining. Promising biotechnological strategies for decontamination have been developed. Bioremediation, one of them, employs microorganisms, for example, yeast. The main objective of this study was to characterize yeast isolates regarding the mechanisms of resistance and ability to remove the Mn 2 + ion and to describe how they respond to environmental stress by altering their protein expression pattern. Three yeasts were isolated from water from a mine tailings, located in the Quadrilátero Ferrífero-MG and identified as Meyerozyma guilliermondii, Meyerozyma caribbica and Rhodotorula mucilaginosa using biochemical analysis, by Auxanograma and phylogenetic, based on 16S rDNA. The evaluation of the ability of the isolates to remove Mn+2 ions showed that both studied genera are resistant to metal, and the presence of excess Mn did not negatively affect growth. The Meyerozyma sp. 100% of the Mn+2 by biosorption process and the Rhodotorula sp. 10%, probably due to oxidation. The lower removal capacity of the latter genus in relation to the former does not make it less important, since it presents tolerance and the ability to remove at high concentrations of Mn+2 when compared to others. The first report of the Mn+2 induced total and differential soluble proteome of the genus Meyerozyma sp., As well as the protein-protein interactions was performed using the shotgun /bottom-up technique, in which protein extracts of M. guilliermondii containing the fractions were obtained after growth in the absence and presence of MnSO 4 (0.91 mM). Tryptic peptides were analyzed by liquid chromatography coupled to mass spectrometry (LC-MS/MS), followed by bioinformatics analyzes. In the proteome a total of 1257 proteins were identified, and the qualitative analysis demonstrated that of these 117 were exclusive to the absence condition and 69 expressed solely in the presence of Mn+2. The quantitative analysis showed 71 upregulated proteins induced by excess Mn+2, in which seven functional enrichments and 43 metabolic pathways were identified. Most of the proteins noted in the presence of Mn+2 are related to oxidoreductase activity, response to oxidative stress, metabolic activities, DNA repair and gene expression remodeling. In view of the above, it is possible to conclude that the three species are tolerant to high concentration of Mn+2, the importance of understanding cellular processes and molecular regulatory mechanisms, since they allow the knowledge of the defense mechanisms that minimize the impact of the metal through the expression of proteins antioxidants, for example, allowing adjustment in the defense response associated with Mn+2 tolerance. This knowledge will allow future studies and the exploration of the biotechnological potential in future bioremediation processes.pt_BR
Appears in Collections:PPCBIOL - Doutorado (Teses)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE_AbordagensMolecularesProteômicas.pdf10,29 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons