Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/13121
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorIsoldi, Mauro Césarpt_BR
dc.contributor.authorPaula, Ana Beatriz Rezende-
dc.date.accessioned2021-02-25T16:22:44Z-
dc.date.available2021-02-25T16:22:44Z-
dc.date.issued2020pt_BR
dc.identifier.citationPAULA, Ana Beatriz Rezende. O coração do camundongo como um possível termo-sensor?: implicações do ácido palmítico nos osciladores circadianos do coração. 2020. 80 f. Dissertação (Mestrado em Saúde e Nutrição) - Escola de Nutrição, Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Nutrição, Ouro Preto, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/13121-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Saúde e Nutrição. Escola de Nutrição, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractVisto que os ritmos biológicos são gerados por uma maquinaria circadiana, e que a fisiologia cardiovascular sabidamente possui osciladores, a análise de genes de relógio no coração trará avanços no conhecimento desse relógio periférico. Somado a isso, sabe-se que o coração é um órgão que expressa diversos membros da família de canais de potencial receptor transitório (TRP), além de algumas opsinas. Possivelmente, o coração atua monitorando variações de temperatura interna, através do fluxo de sangue vindo da periferia e do trato respiratório, que seria interpretada por ele na expressão e liberação de seus principais hormônios. O presente estudo objetiva avaliar a expressão de genes do relógio, canais TRP e opsinas, em explantes cardíacos, em condições de 12h:12h de ciclo claro-escuro LD; e investigar os efeitos do ácido palmítico no relógio local, em cultura primária de cardiomiócitos. As culturas primárias de cardiomiócitos de camundongos adultos selvagens C57BL/6J foram utilizadas para avaliar o efeito do ácido palmítico na expressão dos genes do relógio Bmal1 e Per1, pelo ensaio de qPCR. Foram avaliados também a expressão de genes do relógio Bmal1 e Per1, das opsinas Opn1, Opn2, Opn3 e Opn4, e dos canais TrpV1 e TrpA1, em átrio e ventrículo de camundongos adultos selvagens C57BL/6J, TrpV1 KO e TrpA1 KO, pelo ensaio de qPCR.. Os resultados de qPCR de tecido cardíaco indicaram uma maior expressão do gene Per1 no átrio em relação ao ventrículo dos animais TrpV1 KO. O gene Bmal1 não apresentou nenhuma diferença significativa, independente do genótipo ou da cavidade cardíaca. As opsinas Opn1 e Opn2 foram mais expressas no átrio em relação ao ventrículo dos animais selvagens. Já para as opsinas, Opn3 e Opn4, não houve diferença significativa, independente do genótipo. Os canais TrpV1 e TrpA1 foram mais expressos no átrio em relação ao ventrículo nos animais selvagens. Não houve diferença significativa entre átrio e ventrículo para os canais TrpV1 e TrpA1 nos animais TRPA1 KO e TRPV1 KO, respectivamente. Os valores obtidos na qPCR das culturas de células mostraram um perfil de alta expressão do gene Bmal1 e baixo do Per1 14 horas após o tratamento com ácido palmítico. Conclui-se que o canal TRPV1 participa da regulação do sistema circadiano cardíaco. Além disso, as opsinas e os canais TRP podem estar atuando como termo-sensores no coração.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.subjectCoração - ácidos graxospt_BR
dc.subjectOsciladores - ritmos circadianospt_BR
dc.subjectCronobiologiapt_BR
dc.titleO coração do camundongo como um possível termo-sensor? : implicações do ácido palmítico nos osciladores circadianos do coração.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 19/02/2021 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeLavorato, Victor Neivapt_BR
dc.contributor.refereeCosta, Guilherme de Paulapt_BR
dc.contributor.refereeIsoldi, Mauro Césarpt_BR
dc.description.abstractenSince biological rhythms are generated by circadian machinery, and cardiovascular physiology is known to have oscillators, the analysis of clock genes in the heart will bring advances in the knowledge of this peripheral clock. In addition, it is known that the heart is an organ that expresses several members of the family of potential transient receptor (TRP) channels, in addition to some opsins. Possibly, the heart works by monitoring variations in internal temperature, through the blood flow coming from the periphery and the respiratory tract, which would be interpreted by it in the expression and release of its main hormones. The present study aims to evaluate the expression of clock genes, TRP channels and opsins, in cardiac explants, in conditions of 12h: 12h of light-dark cycle LD; and to investigate the effects of palmitic acid on the local clock in a primary culture of cardiomyocytes. Primary cultures of cardiomyocytes from C57BL / 6J wild adult mice were used to evaluate the effect of palmitic acid on the expression of the clock genes Bmal1 and Per1, by the qPCR assay. The expression of clock genes Bmal1 and Per1, of opsins Opn1, Opn2, Opn3 and Opn4, and of the channels TrpV1 and TrpA1, in the atrium and ventricle of wild adult mice C57BL / 6J, TrpV1 KO and TrpA1 KO, were also evaluated by the assay of qPCR .. The results of cardiac tissue qPCR indicated a greater expression of the Per1 gene in the atrium in relation to the ventricle of the animals TrpV1 KO. The Bmal1 gene did not show any significant difference, regardless of the genotype or the cardiac cavity. Ops1 Opn1 and Opn2 were more expressed in the atrium compared to the ventricle of wild animals. As for opsins, Opn3 and Opn4, there was no significant difference, regardless of the genotype. The channels TrpV1 and TrpA1 were more expressed in the atrium compared to the ventricle in wild animals. There was no significant difference between atrium and ventricle for the TrpV1 and TrpA1 channels in the TRPA1 KO and TRPV1 KO animals, respectively. The values obtained in the qPCR of the cell cultures showed a profile of high expression of the Bmal1 gene and low of Per1 14 hours after treatment with palmitic acid. It is concluded that the TRPV1 channel participates in the regulation of the cardiac circadian system. In addition, opsins and TRP channels may be acting as thermo-sensors in the heart.pt_BR
Appears in Collections:PPGSN - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_CoraçãoCamundongoPossível.pdf1,35 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons