Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/12786
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorPereira, Elvina Maria Caetanopt_BR
dc.contributor.authorSousa, Márcia Cristina da Silva-
dc.date.accessioned2020-10-01T15:26:20Z-
dc.date.available2020-10-01T15:26:20Z-
dc.date.issued2020pt_BR
dc.identifier.citationSOUSA, Márcia Cristina da Silva. lnsurgências corporais: performances pretas como práticas de [re]existência. 120 f. 2020. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Instituto de Filosofia, Artes e Cultura, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/12786-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Artes Cênicas. Instituto de Filosofia, Artes e Cultura, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractObjetivamos apresentar um estudo sobre a arte da performance, tendo como ponto de partida uma investigação da de(s)colonização da arte na contemporaneidade. Deste modo, analisamos trabalhos artísticos cujas poéticas pensam as questões políticas e sociais brasileiras e refletem as reverberações constituintes das estruturas históricas da América Latina e, consequentemente, do Brasil. Para tanto, nos detivemos no exame das performances: Sagração de Urubustisin de SaraElton Panamby, Mil litros de Preto de Lucimélia Romão e Quarto de cura e o Trauma é brasileiro de Castiel Vitorino Brasileiro, assumindo um giro epistemológico de(s)colonial ao exercer uma leitura a partir de teóricas da performance latino-americanas, tais como: Ileana Diéguez Caballero, Diana Taylor e Josefina Alcázar. Tendo como suporte conceitos como liminaridade e repertório, o presente trabalho pensa a cena contemporânea permeada por poéticas artísticas de pessoas racializadas, cujas produções são entendidas, então, como formas de resistência contra as estruturas hegemônicas de poder.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.subjectPerformance - artept_BR
dc.subjectDescolonizaçãopt_BR
dc.subjectResistência na artept_BR
dc.subjectCorpo como suporte da artept_BR
dc.titlelnsurgências corporais : performances pretas como práticas de [re]existência.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 18/09/2020 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante.pt_BR
dc.contributor.refereePereira, Elvina Maria Caetanopt_BR
dc.contributor.refereeSantos, Renata Aparecida Felinto dospt_BR
dc.contributor.refereeSantos, Clóvis Domingos dospt_BR
dc.description.abstractenWe aim to present a study on the art of performance, starting with an investigation of the (de)colonization of art in contemporary times. This way, we analyze artistic works whose poetics reflect Brazilian political and social issues and also the constituent reverberations of the historical structures in Latin America and, consequently, in Brazil. To this end, we examine the following performances: Sagração de Urubustisin by Sara Elton Panamby, One Thousand Mil Litros de Preto by Lucimélia Romão and Quarto de cura e o Trauma é brasileiro by Castiel Vitorino Brasileiro, assuming an epistemological turn of (de)colonization when exercising a reading to from Latin American performance theorists, such as: Ileana Diéguez Caballero, Diana Taylor and Josefina Alcázar. Based on concepts such as liminality and repertoire, the present work considers the contemporary scene permeated by artistic poetics of racialized people, whose productions are understood, then, as forms of resistance against the hegemonic structures of power.pt_BR
Appears in Collections:PPGAC - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_InsurgênciasCorporaisPerformance.pdf3,52 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons