Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/12696
Title: Efeito da taxa de resfriamento sobre a formação de martensita em um aço inoxidável ferrítico com 11 %Cr e baixos teores de intersticiais.
Other Titles: Effect of the cooling rate on martensite formation in a ferritic stainless steel with 11 %Cr and low content of interstitials.
Authors: Vilela, Larissa de Barros Machado
Faria, Geraldo Lúcio de
Alcântara, Cláudio Moreira de
Oliveira, Tarcísio Reis de
Cota, André Barros
Keywords: Dilatometria
Dilatometry
Issue Date: 2019
Citation: VILELA, L. de B. M. et al. Efeito da taxa de resfriamento sobre a formação de martensita em um aço inoxidável ferrítico com 11 %Cr e baixos teores de intersticiais. Matéria, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, maio 2019. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-70762019000100308>. Acesso em: 10 mar. 2020.
Abstract: Estudou-se o efeito da taxa de resfriamento sobre a cinética de formação da martensita e sua evolução microestrutural em um aço inoxidável ferrítico com 0,011 %C - 11,1 %Cr - 0,013 N, usando a técnica de dilatometria e a microscopia ótica. Amostras foram austenitizadas a 1000°C por um minuto, seguida de resfriamento sob várias taxas até a temperatura ambiente. A microestrutura obtida é composta, predominantemente, por martensita temperada com uma pequena fração volumétrica de ferrita, com valores de microdureza Vickers variando de 319±4 HV0.2 a 338±4 HV0.2, quando as taxas de resfriamento aumentam de 0,5 para 100 °C/s. Os resultados mostram que as temperaturas de início e fim de formação da martensita diminuem com o aumento da taxa de resfriamento. A taxa de transformação martensítica cresce abruptamente alcançando o valor máximo quando a fração de martensita atinge aproximadamente 42 %, e então, essa taxa diminui até zero quando a transformação da martensita chega ao fim. A taxa máxima da transformação martensítica cresce com o aumento da taxa de resfriamento, sendo 0,01 s-1 a 0,5 °C/s e 2,54 s-1 para 100 °C/s.
metadata.dc.description.abstracten: The effect of the cooling rate on martensite formation kinetic and its microstructural evolution in a ferritic stainless steel with 0.011 %C - 11.1 %Cr - 0.013 N was studied, using the dilatometric technique and optical microscopy. Samples were austenitized at 1000°C during one minute, followed by cooling under various rates to room temperature. The microstructure consists predominantly composed of martensite with a small volumetric fraction of ferrite, and the values of Vickers microhardness vary from 319±4 HV0.2 to 338±4 HV0.2 when the cooling rates increase from 0.5 to 100 °C/s. The results show that the martensite start and finish temperatures decrease when the cooling rate increases. The martensitic transformation rate grows abruptly reaching the maximum value when the martensitic fraction is about 42 % and then it decreases to zero when the martensitic transformation comes to the end. The maximum rate of martensitic transformation grows with increase of cooling rate, being 0.01 s-1 to 0.5 °C/s and 2,54 s-1 to 100 °C/s.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/12696
metadata.dc.identifier.doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1517-707620190001.0617
ISSN: 1517-7076
metadata.dc.rights.license: Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt). Fonte: o próprio artigo.
Appears in Collections:DEMET - Artigos publicados em periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ARTIGO_EfeitoTaxaResfriamento.pdf2,07 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.