Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/11739
Title: Perfil leucocitário sistêmico e lesões no trato gastrointestinal de camundongos infectados experimentalmente pelo Trypanosoma cruzi por via oral.
Authors: Carvalho, Lívia Mendes
metadata.dc.contributor.advisor: Vieira, Paula Melo de Abreu
Keywords: Doença de Chagas
Infecção
Trypanosoma cruzi
Issue Date: 2019
metadata.dc.contributor.referee: Vieira, Paula Melo de Abreu
Silva, André Talvani Pedrosa da
Veloso, Vanja Maria
Citation: CARVALHO, Lívia Mendes. Perfil leucocitário sistêmico e lesões no trato gastrointestinal de camundongos infectados experimentalmente pelo Trypanosoma cruzi por via oral. 2019. 57 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2019.
Abstract: A Doença de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, é endêmica em quase todos os países da América Latina. No Brasil, a transmissão por via vetorial e transfusional foi controlada pela vigilância epidemiológica, tornando a infecção pela via oral o principal mecanismo de transmissão da doença no país. O trato gastrointestinal é a porta de entrada para o parasito por essa via de infecção, no entanto, pouco se sabe sobre o envolvimento desses órgãos e do perfil parasitológico e imunopatológico frente à via oral. Diante nisso, o objetivo deste trabalho foi avaliar o perfil leococitário sistêmico e as alterações histopatológicas no trato gastrointestinal de camundongos infectados pela via oral com a cepa Berenice-78 do T. cruzi nas fases aguda e crônica. Para isso, 140 camundongos Swiss foram distribuídos em três grupos experimentais: controle não infectado; infectados por via intraperitoneal (VIP); infectados por via oral (VO). Esses animais foram inoculados com 1x105 formas tripomastigotas metacíclicas provenientes de culturas acelulares por gavagem (VO) ou por via intraperitoneal (VIP). Quatro animais de cada grupo foram eutanásia dos nos dias 14, 21, 28, 35, 42 e 180 após a infecção (DAI), sendo coletados fragmentos do estômago, duodeno e cólon. Foram então analisados ou quantificados a curva de parasitemia e a taxa de sobrevida; a fenotipagem de células mononucleares (monócitos, linfócitos T CD4+ , T CD8+ e B) do sangue periférico por citometria de fluxo; o parasitismo tecidual por meio da técnica de PCR em tempo real; o processo inflamatório, empregando a coloração de Hematoxilina & Eosina e a neoformação de colágeno, empregando a coloração de Tricrômico de Masson. O grupo VIP apresentou pico de parasitemia no 24º DAI (530.754 tripomastigotas/0,1 ml de sangue), e o grupo VO mostrou pico de parasitemia um pouco maior, também no 24º DAI (628.085 tripomastigotas/0,1 ml de sangue). A taxa de sobrevida dos animais infectados por via oral foi de 47,63%, já o grupo VIP apresentou uma sobrevida de 87,75%. Quanto à resposta imune, observou-se uma redução no percentual de monócitos já no 14º DAI no grupo VO enquanto que no VIP não houve alterações em seus percentuais. Com relação aos linfócitos, foi observada uma redução mais precoce dos linfócitos T CD4+ e dos linfócitos B do sangue periférico dos animais do grupo VO em comparação com o grupo VIP. Já os linfócitos T CD8+ aumentaram a partir do 21º DAI tanto no grupo VIP quanto no VO. O parasitismo tecidual mostrou-se aumentado no grupo VO no 28º DAI no estômago, duodeno e colón quando comparado a grupo VIP. Em relação ao infiltrado inflamatório, no estômago foi observado um aumento no 28ºDAI em ambos os grupos infectados. Já no duodeno esse aumento só ocorreu no grupo VO, e no cólon, não se observa diferenças significativas entre o número de células inflamatórias ao longo da infecção nos animais do grupo VO. Não foram observadas diferenças significativas quanto à neoformação de colágeno. Diante disso, estes dados sugerem que a infecção oral possui um distinto perfil de resposta parasitológica e imunopatológica em comparação com a via intraperitoneal, sendo que a via oral apresentou um maior parasitismo tecidual nos órgãos do trato gastrointestinal avaliados durante a fase aguda.
metadata.dc.description.abstracten: Chagas disease, caused by protozoan Trypanosoma cruzi, is endemic in almost all countries of Latin America. In Brazil, vector and transfusion transmission was controlled by epidemiological surveillance, becoming oral infection the most important mechanism of transmission of the disease in several regions of the country. The gastrointestinal tract is the gateway to parasite by this route of infection, however, little is known about the involvement of these organs and the parasitological and immunopathological profile related to oral route. Based on this, the objective of this work was to evaluate systemic profile leukocyte and the histopathological changes in the gastrointestinal tract of infected mice with the T. cruzi Berenice-78 strain in acute and chronic phases. For this, 140 Swiss mice were distributed in three experimental groups: uninfected control; infected by intraperitoneal route (IR); infected by oral route (OR). These animals received an inoculum of 1x105 metacyclic trypomastigote forms from acellular cultures by gavage (OR) or intraperitoneally (IR). Four animals from each group were necropsied on days 14, 21, 28, 35, 42 and 180 after infection (DAI), and fragments of the stomach, duodenum and colon were collected. The parasitemia curve and the survival rate were then analyzed or quantified; The phenotyping of mononuclear cells (monocytes, CD4+ T, CD8+ T and B lymphocytes) of the peripheral blood by flow cytometry; Tissue parasitism using the realtime PCR technique; The inflammatory process, using the Hematoxylin & Eosin staining and the collagen neoformation, using the Masson's Tricromic staining. IR group showed a peak of parasitemia in 24th DAI (530,754 trypomastigotes/0.1 mL of blood), and OR group showed a slightly higher parasitemia, also in 24th DAI (628,085 trypomastigotes/0.1 ml of blood). The survival rate among the orally infected animals was 47.63% and IR group had survival rate of 87.75%. Regarding the immune response, there was a reduction in the percentage of monocytes already in 14th DAI in OR group whereas in IR there were no changes in their percentages. With regard to lymphocytes, an earlier reduction of CD4+ T lymphocytes and B lymphocytes in peripheral blood was observed in OR group compared to IR group. Whereas CD8+ T lymphocytes increased in 21th DAI in both IR and VO groups. The tissue parasitism was increased in OR group in 28th DAI in stomach, duodenum and colon when compared to IR group. In relation to inflammatory infiltrate, an increase in 28th DAI in both infected groups was observed in stomach. In duodenum, this increase only occurred in OR group, and in colon, there were no significant differences between the number of inflammatory cells throughout the infection in animals of OR group. There were no significant differences in collagen neoformation. Therefore, these data suggest that oral infection has a different profile of parasitological and immune response compared to intraperitoneal route, being the oral route more virulent and with greater tissue parasitism in organs of the gastrointestinal tract evaluated during the acute phase.
Description: Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Pró-Reitoria de Pesquisa de Pós Graduação, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/11739
metadata.dc.rights.license: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 17/09/2019 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.
Appears in Collections:PPCBIOL - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_PerfilLeucocitárioSistêmico.pdf1,47 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons