Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/10128
Title: Consumo de alimentos ultraprocessados e Proteína C-reativa no estudo longitudinal de saúde do adulto (ELSA-BRASIL).
Authors: Cruz, Aline Ester da Silva
metadata.dc.contributor.advisor: Gonçalves, Luana Giatti
Keywords: Alimentos - indústria
Inflamação
Issue Date: 2016
metadata.dc.contributor.referee: Amaral, Joana Ferreira do
Coelho, George Luiz Lins Machado
Gonçalves, Luana Giatti
Citation: CRUZ, Aline Ester da Silva. Consumo de alimentos ultraprocessados e Proteína C-reativa no estudo longitudinal de saúde do adulto (ELSA-BRASIL). 2016. 60 f. Dissertação (Mestrado em Saúde e Nutrição) - Escola de Nutrição, Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Nutrição, Ouro Preto, 2018.
Abstract: Os produtos alimentícios ultraprocessados são formulações industriais, constituídos em sua maior parte de vários ingredientes, aditivos e conservantes industriais. Além disso, os ultraprocessados possuem baixo teor de micronutrientes e fibras, e elevada densidade de energia, gorduras saturadas, trans e açúcares. Padrões alimentares e dietas, que possuem características nutricionais similares aos ultraprocessados, têm sido associadas à maiores níveis de biomarcadores de inflamação dentre os quais a Proteína C-reativa (PCR). É possível que a elevada ingestão desses alimentos possa desencadear uma inflamação de baixo grau, que pode torna-se crônica e eventualmente levar à fatores de risco para doenças cardiovasculares e o diabetes tipo 2. Contudo, poucos estudos investigaram a associação entre o consumo elevado de alimentos ultraprocessados e desfechos de saúde, sendo a sua associação com marcadores inflamatórios ainda desconhecida. OBJETIVO: O objetivo da presente dissertação foi investigar se o consumo elevado de alimentos ultraprocessados está associado ao aumento nos níveis de Proteína C-reativa (PCR) independentemente de potenciais fatores de confusão entre os participantes do Estudo Longitudinal Saúde do Adulto (ELSA-Brasil). MÉTODOS: Realizou-se uma análise seccional com dados de 12.902 participantes da linha de base do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA-Brasil) (2008-2010). A associação entre a variável resposta (PCR) e a variável explicativa de interesse (consumo elevado de ultraprocessados) foi estimada por meio de modelos lineares generalizados (MLG), com distribuição gama e função logarítmica, cujo exponencial do coeficiente de regressão fornece a Razão da Médias Aritméticas com intervalo de 95% de confiança (RMA, IC95%). Foram considerados potenciais fatores de confusão: sexo, idade, raça/cor, escolaridade atual, renda familiar per capta, atividade física no lazer, tabagismo, mudança na dieta nos últimos seis meses, circunferência da cintura, hipertensão arterial e diabetes tipo 2. RESULTADOS: A mediana e intervalo interquartílico da PCR na população do estudo correspondeu a 1,43mg/l (0,71-3,23). A mediana da PCR foi mais elevada entre as mulheres (1,63mg/L), aumentou com o incremento da idade, da circunferência da cintura (p<0,0001), com a diminuição da escolaridade e da intensidade da atividade física (p<0,0001). Na análise bruta, os indivíduos que tinham consumo elevado de alimentos ultraprocessados apresentaram média aritmética superior à média dos que não tinham consumo elevado desses alimentos (p <0,05). A força da associação foi atenuada após ajustes sucessivos por potenciais fatores de confusão, sendo o decréscimo mais acentuada após ajuste pela circunferência da cintura [RMA: 1,05; (IC95%: 1,00-1,11)]. Após todos os ajustes, o consumo elevado de alimentos ultraprocessados permaneceu independentemente associado a um aumento de 6% na média aritmética de PCR [RMA: 1,06; (IC% 1,00-1,11)]. As associações não foram alteradas após análises de sensibilidade com exclusão de participantes em uso de corticoides, hipolipemiantes, de mulheres em uso de anticoncepcional ou reposição hormonal e com níveis séricos de PCR acima de 10 mg/L. CONCLUSÃO: Nossos resultados sugerem uma relação entre o consumo elevado de alimentos ultraprocessados e a resposta inflamatória crônica. Contudo, novos estudos em outras populações e análises longitudinais são necessários. Palavras chaves: Alimentos industrializados, Proteína C Reativa, Inflamação.
metadata.dc.description.abstracten: Ultra-processed foods are industrial formulations, consisting mostly of ingredients, additives and industrial preservatives. Furthermore, ultraprocessados have low micronutrient content and fiber, and high energy density, saturated fat, trans and sugars. Eating patterns and diets that have similar nutritional characteristics to ultra-processed foods, have been linked to higher levels of inflammation biomarkers, among which C-reactive protein (CRP). A high intake of these foods can trigger a low-grade inflammation, which can become chronic and eventually lead to risk factors for cardiovascular disease and diabetes type 2. However, few studies have investigated the association between high intake of ultra-processed foods and health outcomes, and its association with inflammatory markers still unknown. The aim of this thesis was to investigate whether the high consumption of ultra-processed food is associated with increased levels of C-reactive protein (CRP) independently of potential confounders among participants in the Longitudinal Study Adult Health (ELSA-Brazil). METHODS: We conducted a cross-sectional analysis with data from 12,902 participants Baseline Study of Adult Health Longitudinal (ELSA-Brazil) (2008-2010). The association between the dependent variable (PCR) and the explanatory variable of interest (high consumption of ultraprocessados) was estimated using generalized linear models (GLM), with distribution range and logarithmic function, whose exponential regression coefficient provides Reason Arithmetic average with 95% confidence interval (AMR, CI:95%). They were considered potential confounders: age, sex, race / color, current education, family income per capita, leisure physical activity, smoking, change in diet in the past six months, waist circumference, artery hypertension and diabetes type 2. RESULTS: The CRP median was 1.43 mg/L (Interquartile Range: 0.71-3.23). The CRP median was higher among women (1.63mg / L) increased with increasing age, waist circumference (p <0.0001), with the reduction of the schooling and intensity of physical activity ( p <0.0001). In the crude analysis, those who had high intake of foods ultraprocessados presented arithmetic average higher than the average of those without high consumption of these foods (p <0.05). The strength of the observed association was attenuated after adjustment for potential confounder. After all settings, high consumption of food ultraprocessados remained independently associated with an increase of 6% on the arithmetic mean of CRP [AMR: 1.06; (% CI 1.00 to 1.11)]. The associations were not changed after sensitivity analyzes excluding participants in use of steroids, lipid-lowering, of women using contraceptive or hormone replacement and serum CRP levels above 10 mg / L. CONCLUSION: Our results suggest that there may be a link between high consumption of ultraprocessados food and chronic inflammatory response. However, further studies in other populations and longitudinal analyzes are need. KEYWORDS: Industrialized Foods, C-reactive protein, Inflammation.
Description: Programa de Pós-Graduação em Saúde e Nutrição. Escola de Nutrição, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/10128
metadata.dc.rights.license: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 05/09/2018 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.
Appears in Collections:PPGSN - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_ConsumoAlimentosUltraprocessados.pdf2,99 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons